/
/
/
Nasce uma Cooperativa
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Nasce uma Cooperativa

Qua, 25 de Maio de 2011 00:00 | PostAuthorIcon Autor: José Luiz Capp | PDF Imprimir E-mail
Memórias da Cidade
Do âmbito AAC/Cobrasma foram concebidos tantos projetos e realizações que às vezes se torna difícil saber, efetivamente, qual desses órgãos gerou o embrião.

Havia um entrosamento muito grande entre esses dois empreendimentos. Tanto quanto me lembro foi o que o ocorreu com a criação de duas importantes cooperativas : a de Consumo e a de Crédito Mútuo dos Empregados da Cobrasma.
Iniciarei pela primeira, deixando a segunda para a próxima crônica.
Como nasceu? Pequena, dentro da área da fábrica. Com as características de um “armazém de secos e molhados” como se dizia no passado.

Esse embrião foi crescendo e pedindo mais espaço para expansão. Era comandado pelo saudoso Adolpho Veloso, assistido pelo emancipador Mário Torres Jr.

Paralelamente, funcionava num dos lados do campo de futebol da AAC a chamada “lojinha do clube” comandada pelo Biagio Marchetti, pai do comentarista esportivo Marchetti, amigo inseparável do jornalista Antônio Júlio Baltazar. Esta loja, construida de madeira, vendia eletrodomésticos, roupas, uniformes esportivos, sapatos, etc.

Em ambos os casos as operações de venda eram feitas através de vales que seguiam para o setor próprio da então chamada Seção de Pessoal para desconto em folha de pagamento. Esta loja, a exemplo do armazém de gêneros alimentícios anteriormente mencionado, também cresceu, requerendo maior espaço.

Certa manhã eu estava trabalhando na sala de Planejamento e Contrôle da Produção da fábrica, cabeça abaixada, quando “alguém” coloca um maçudo livro de atas na minha frente e comanda : “assine aqui”. Quem era esse alguém?

Não outro: o então Chefe da Seção de Pessoal da Cobrasma. Hoje Dr. Albertino Souza Oliva. Em seguida foi dizendo “estamos fundando a nossa cooperativa, a Cooperativa de Consumo dos Empregados da Cobrasma”.

Se me lembro bem, a minha foi a 5ª assinatura. Não me recordo as de quem me antecedeu. A 1ª tenho quase certeza só podia ser a do próprio Albertino. As outras três só podem ter sido a da Ângela Martha Pereira, secretária executiva da então diretoria da Cobrasma, a do Augusto Paula Pinto e a do João Tavares Friestino.

Pronto! – estava fundada a Cooperativa com outras adesões que se seguiram. O quarteto mencionado no parágrafo anterior podia ser comparado ao avanço dos Bandeirantes… Sempre avante!

Foi o primeiro auto-serviço de compras de Osasco até onde sei. Com carrinhos como os que conhecemos hoje.

Aos sábados o movimento era tão grande que havia disputa democrática de espaço entre os membros da diretoria da Cobrasma e os demais associados.

Só muito tempo depois se instalou na Av. Marechal Rondon, quase esquina com a Rua Antônio Agú, o que poderíamos chamar minimercado, o Pão de Açúcar. Não era maior e nem melhor do que a nossa Cooperativa.

Com o passar do tempo a Cooperativa inicial teve sucessivas mudanças administrativas permanecendo no mesmo local durante muitos anos – na Rua Antônio Agú em frente a uma das agências do Bradesco.

Parece-me que hoje a sucessora da histórica Cooperativa de Consumo dos Empregados da Cobrasma funciona nas proximidades do local
primitivo sob nova razão social.

Fica aqui registrado mais um marco histórico da cidade!

Na próxima crônica falarei sobre outro grande empreendimento: A Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da Cobrasma.

Até lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo